13/03/2014

poesia de gaveta #1

Sumiu.
Como água da chuva escoando para o bueiro mais próximo.
Como vapor subindo da chaleira em um dia frio.
Como a marca da tua mão na minha janela embaçada.
Ficam as lembranças, não mais que isso.